Slow Travel

Venha conhecer a tendência mais recente do movimento pela sustentabilidade

 Certamente já ouviu falar de sustentabilidade. Mas será que conhece o conceito de Sustentabilidade Social no turismo? E de que formas pode contribuir para a mesma? Nós explicamos…

 A Sustentabilidade Social é um dos pilares da sustentabilidade e consiste em promover e garantir a qualidade de vida das gerações atuais e futuras, erradicando a pobreza e diminuindo as diferenças sociais. A partir do momento que marca uma viagem e efetua as suas reservas está a contribuir para a sustentabilidade social através da criação de oportunidades de emprego no turismo e a potenciar o aumento de salários. Durante a sua viagem, pode continuar a promover este tipo de benefícios explorando a cultura local, participando em festivais e feiras, apoiando marcas locais com a compra e promoção de produtos e serviços, que certamente colaborarão para o aumento de riqueza da comunidade.

 Se tem alguma curiosidade e deseja perceber mais sobre este conceito turístico, não hesite em visitar o site oficial da Slow Tours*.

*Esta referência tem um cariz educativo, pelo que não apresenta objetivos comerciais.

O futuro das viagens sustentáveis está aqui

Viaja conscientemente pelo Norte de Portugal.

Conhece o caso de sucesso da Portugal EVTours, a primeira empresa no Norte de Portugal a organizar experiências vitivinícolas no Douro utilizando viaturas Tesla elétricas, poupando cerca de 80kg de emissões de CO2 em cada viagem.\

A crescente preocupação para com a sustentabilidade no setor dos transportes tem-se revelado como uma prioridade para as empresas turísticas portuguesas, que através da reestruturação da sua oferta se vão adaptando a um consumidor cada vez mais exigente e consciente. 

O conceito revolucionário da Portugal EVTours surgiu em 2018, com o objetivo de promover excursões tailor-made no Vale do Douro, aliado a uma seleção cuidadosa de parcerias certificadas, cuja oferta reflete preocupações ecológicas através da criação orgânica dos seus produtos.

O diferencial desta empresa assenta na organização de viagens de luxo sustentáveis fora dos roteiros turísticos convencionais. A exclusividade do transporte 100% elétrico providencia o conforto necessário e a oportunidade de contribuir para a preservação do ambiente e do destino. 

Se te preocupas com um futuro mais sustentável e tens curiosidade em saber mais acerca deste tema, junta-te a nós no nosso podcast, contando com a presença do fundador da Portugal EVtours, Sérgio Costa.

Se gostaste deste post deixa aqui o teu comentário!

Autores:

António Pontes; Bruna Ferreira ; Diana Nogueira; Eduarda Ferreira; e Inês Gonçalves

*Disclaimer: Este texto tem como objetivo educar o leitor visando um caso de sucesso no Turismo em prol da sustentabilidade e não possui carácter promocional ou vinculativo.

Turismo Sustentável

O que é o turismo sustentável? Será o setor hoteleiro capaz de se tornar totalmente sustentável?

O turismo sustentável tem como objetivo travar os impactos negativos do turismo nas comunidades, de modo a não comprometer as gerações futuras, através da melhoria das condições de vida da população; do respeito pela cultura e tradição local; e da proteção e preservação do ambiente e da biodiversidade.

O crescimento do Turismo levou à expansão do setor hoteleiro, começando a surgir preocupações, por parte dos empresários e dos turistas, devido aos impactos causados no meio ambiente e na sociedade.  Atualmente muitas unidades hoteleiras têm apostado em serviços e produtos mais sustentáveis para tentar reduzir os custos, renovar a imagem do hotel através de estratégias de marketing que permitem obter uma vantagem competitiva face a outras unidades hoteleiras.

Em Portugal, já foram instalados sistemas e medidas para: a redução de plástico, a reutilização de desperdícios alimentares, a redução do consumo de água e energia, etc. Concluindo, o nosso principal objetivo é desafiar TODOS, desde as unidades hoteleiras, aos residentes e turistas, a proteger ao máximo os recursos naturais, os locais visitados e a tomar decisões mais sustentáveis. Aceitas o desafio?

Fica atento ao nosso blog e podcast! 

Actions make a difference

When you travel by plane, do you know the impact you’re having on the environment? 

 In today’s world, it is increasingly important to think about and develop sustainable tourism practices. This change in behaviour has a profound impact both on society and on the tourism sector, including transportation. Imagine what it would be like to visit Australia without planes and boats? Exactly, it wouldn’t be possible. But, at the same time, sea and air travel have a negative effect on the environment. Therefore, to talk about the transport sector today, it is essential to also think about the way we relate to the world.

Over the years, sustainability has been threatened by people’s behaviours and social phenomena, such as mass tourism and the overuse of different types of resources. Choosing to walk or ride a bike is undoubtedly a huge contribution to sustainability, but, if you still can’t imagine your life without motor vehicles, or you hate exercise, we suggest using public transport, such as the bus or the metro.

In addition to being more economical than cars, they are not as polluting for the environment. Thus, we challenge all our readers to think of alternatives to their beloved car.

Authors: Ana Carolina Figueiredo; Henrique Sousa; Luís Vilar; e Mariana Freitas

Nos atos está a diferença

Quando viaja de avião, tem noção do seu impacto no ambiente?

 No mundo de hoje é cada vez mais importante pensar e desenvolver práticas de turismo sustentável. Esta mudança de comportamentos tem um impacto profundo, quer na sociedade quer no próprio setor do turismo, nomeadamente o subsetor dos transportes. Imagine como seria visitar a Austrália sem a existência de aviões e de barcos? Exatamente, não seria possível. Mas, ao mesmo tempo, estas viagens marítimas e aéreas implicam um efeito negativo no equilíbrio ambiental. Por isso, para falarmos do setor dos transportes hoje, é imprescindível pensarmos também na maneira como nos relacionamos com o mundo.

Ao longo dos anos, a sustentabilidade tem sido ameaçada por diversos comportamentos da sociedade, como por exemplo, o fenómeno do turismo de massas e a utilização excessiva dos diferentes tipos de recursos. Optar por andar a pé ou de bicicleta é, sem dúvida, um enorme contributo para a sustentabilidade, mas se ainda assim não se imagina a deixar de se deslocar num veículo de quatro rodas, ou a ter que fazer algum tipo de esforço físico, sugerimos a utilização dos transportes públicos, como o autocarro ou o metro. Para além de mais económico do que os carros, estes não são tão poluentes para o ambiente. Assim, deixamos o desafio a todos os leitores de nas suas futuras viagens pensarem em alternativas ao seu querido carro.

Imagem: Freepik

Autores: Ana Carolina Figueiredo; Henrique Sousa; Luís Vilar; e Mariana Freitas

Digital Nomadism: A new panorama of sustainable tourism

The current pandemic situation has led to a revolution in the world of work, giving rise to “Digital Nomadism”.

Talking about Digital Nomadism is, above all, talking about a lifestyle that, due to technological advances, paved the way for remote work, meaning you can work from anywhere in the world. Although an embryonic trend, the tourism industry is aware of this concept and is currently seeking to meet the expectations of nomads, namely, to reconcile work with the enjoyment of new destinations and to achieve full connection with the community’s local customs.

This desire for rapid regeneration makes us stop and reflect on whether we should let the travel industry run as before. More than focusing on this market segment, it is essential that we are concerned with the environment and the preservation of regions. Thus, this regenerative journey, which brings new life and energy, points to an impacting and lasting change in behaviours to reverse the damage already caused to our planet.

And you, would you like to be part of this new sustainable panorama? Your journey begins here!

Authors: Ana Cruz; Ana Ferreira; Gonçalo Guimarães; e José Almeida